web analytics

Bloqueio bancário ao Tugaleaks com base na lei do “financiamento do terrorismo”


Novidades do Tugaleaks por e-mail:


Finalmente uma resposta! Após insistência, reclamação no banco e o envio de uma carta aberta do movimento Tugaleaks, alguma luz sobre o que se passa começa a surgir!

 

euro money notes Bloqueio bancário ao Tugaleaks com base na lei do “financiamento do terrorismo”

 

 

Tal como indicado anteriormente, o Tugaleaks ao tentar abrir uma conta há precisamente uma semana atrás para donativos, deparou-se com a conta fechada após dois dias da mesma ter sido aberta. Sem aviso, sem explicações.
O artigo no Domingo passado dava conta de uma série de factos moralmente contestáveis e, tal como prometido, hoje publicamos a continuação desta saga de discriminação e tentativa de opressão deste movimento cívico.

 

A ida ao banco na segunda-feira

Pelas 9h30m, estávamos no banco, na mesma sucursal onde uma semana antes foi aberta a nossa conta, com o intuito de apresentar uma reclamação. Fomos atendidos pela mesma pessoa que nos abriu a conta e explicaamos ao que vínhamos. Continuaram sem nos querer dar o documento que tinham recebido – e que por pertencer à nossa conta, pensávamos ser “nosso” – sobre o bloqueio imposto. Pedimos para falar com o gerente. 20 minutos passaram, e o gerente finalmente apareceu. A simpatia não deixava o problema resolvido: ele não podia fazer nada.
Explicamos mais uma vez toda a legalidade do processo, a forma como os donativos eram recebidos e toda a forma legal por ela passada. O gerente leu, pensamos nós na íntegra, o que foi enviado pelo departamento que nos bloqueou a conta. Entretanto, focamos a nossa atenção na lei indicada pelo gerente: 25/2008.

 

Branqueamento de capital e financiamento do terrorismo

Devemos andar a incomodar demasiadas pessoas, só pode. A “desculpa” do banco é a de que a nossa conta pode ser usada para branqueamento de capitais ou para financiamento, segundo o nosso entendimento. Na verdade, a Lei 25/2008, segundo o Banco de Portugal, cria “medidas de natureza preventiva e repressiva de combate ao branqueamento de vantagens de proveniência ilícita e ao financiamento do terrorismo”. A lei pode ser vista neste link.
Em momento algum o Tugaleaks é considerado por qualquer entidade em Portugal como uma organização terrorista e em momento algum estamos sob investigação, que seja do nosso conhecimento, por branqueamento de seja o que for.
Uma decisão destas implica provavelmente uma consulta ao nosso site. Algo que só pode ter sido mal interpretado, tendo em conta que somos um meio independente de informação e não uma equipa de hackers de elite. Podemos é incomodar algumas pessoas, mas certamente ainda não chegamos a incomodar os maiores bancos privados em Portugal… até um dia, talvez.

 

A carta aberta

Entregámos também uma carta aberta assinada por dois (de vários) membros do Tugaleaks além da nossa reclamação. Nessa carta, exigimos explicações e a revisão do estado da nossa conta.

 

Os próximos passos

Entregue a carta aberta e a reclamação no livro de reclamações, foi decidido tendo em conta a resposta do gerente, em não divulgar o nome do banco. Tal poderá no entanto vir a acontecer na próxima quarta-feira, caso a resposta que nos iriam dar “em 5 dias úteis” não chegue.
É importante ressalvar que o objectivo do Tugaleaks não é expor o banco mas sim reabrir a conta. Embora já exista outro método de receber donativos, queremos manter a transparência numa conta apenas para esse efeito.

 

 

De uma forma ou de outra, de hoje a uma semana iremos divulgar mais informações. Até lá, a nossa página de donativos continua operacional e as notícias, investigações e divulgação de informação irão continuar, com ou sem donativos.

 

Comentários

  1. Francisco Amaral diz:

    E como o Banco de Portugal não passa de uma corja funcionária da banca privada, o livro de reclamações num banco não serve para nada.
    O banco deve ser denunciado ou o Tugaleaks não defende a transparência.
    Se se vende à hipótese dos donativos vale tanto como quem denuncia.

  2. Sophya diz:

    É perfeitamente legítimo bloquearem a conta. O Tugaleaks não é uma instituição legal, não está a ser regulado por qualquer identidade, por isso não tem o direito de receber donativos. Quem diz que os donativos não são para lavar dinheiro?

  3. chico diz:

    ‎.. vosses sao fracos… n abrem uma conta em nome da tugaleaks.. abrem uma subsidiaria da tugaleaks, que aceita doaçoes sem fim que depois sao transferidas para uma segunda conta no estrangeiro, esta conta so com um titular, pode retransferir o saldo para uma terceira conta subsidiaria da subsidiaria da tugaleaks assim fazendo um branqueamento do dinheiro legal sem direito a imposto portugues graças a lei que diz que doaçoes sao isentas de impostos! e mais podem deduzir no irs!

    façam dessa maneira que é mais facil

  4. masterbyte diz:

    vou deixar de pagar impostos… ando a financiar o terrorismo…
    cortes e mais cortes nas regalias e serviços… aumentos e mais aumentos de impostos… qual al-quaeda qual quê?

  5. Tugalíquida diz:

    É que se denunciarem o banco levam com mais um processo em cima e não terão como suportar as custas judiciais e assim são condenados por difamação, calúnia, etc. Há que ter atenção a essa conexão entre terrorismo e “desinformação” jornalística, aka anarquia, que é feita por estes tuga lickers. Isso pode descambar em penas de prisão efectiva.

  6. Luis Santos diz:

    Hão-de dizer é o nome do banco. Se eu tiver lá uns “tostões” vou levantá-lo. Se todos fizermos o mesmo, acaba-se esse pagode do “terrorismo”. Temos que fazer é uma angariação de fundos para comprar cérebros, a fim de os oferecer a esses “senhores” que pensam que mandam nisto tudo. Terroristas são os bancos que imprimem dinheiro a partir do nada, dando um valor ao mesmo de tal forma que só criam a cada dia que passa, mais e mais miséria. Encharcam as nalgas, deixando as pessoas na penúria. Isto tem que ser divulgado. a famosa “MECÂNICA DOS BANCOS”.

  7. Nelson diz:

    Não entendo porque é que não dizem o nome do banco.
    Afinal, a verdade e a transparência acima de tudo!!!
    Afinal, estão a entregar o vosso poder pessoal a “esse” banco? Não se esqueçam, não expondo o nome, estão a dar-lhe poder… é a minha opinião, vale o que vale. O vosso poder pessoal e que está neste momento nas mãos deles

  8. lindo diz:

    Os bancos são os maiores terroristas do mundo, não gostam de concorrência.

    Acho que é a resposta mais indicada a este facto, só não vê quem não quer.

  9. 4n8nvlcx diz:

    isso quer e 1 defeated ou 1tangodown

  10. Luis Barros diz:

    Se são tão transparentes porque e q não criam uma sociedade com o objecto social bem definido, jornalismo, cotada em bolsa para que todos que querem contribuir invistam em vocês, submetendo-se as regras de controle jornalísticas , legais e fiscais a q todos os q se dedicam a informar, de todos os quadrantes, se submetem ? Talvez porque preferem operar sem fiscalização. Por mim , aos 66 anos, ja deixei de acreditar no pai Natal e num mundo dividido entre os bonzinhos desinteressados e os maus que comem meninos.

  11. Luis Almada diz:

    bom só aconselhava vivamente a NÃO revelares o nome do Banco…

    força.

  12. JP diz:

    És um ‘perigo’, nem sei como te deixam atravessar a ponte diáriamente (vindo tu do ‘deserto’ não a vás dinamitar [A.Santos [sic]).
    Quanto a outros bloqueios, fiz um pouco pela LIBERDADE. Aqui umas dicas para furar a censura ao Tugaleaks »» http://1rst.jigsy.com/entries/general/aceder-a-tugaleaks-com-desde-redes-com-bloqueio

  13. […] conta foi fechada sem, até hoje, haver documento oficial a comprovar o fecho. Apuramos conforme o artigo da semana anterior, que a conta tinha sido fechada pela lei do “financiamento do terrorismo”, dita pelo Gerente da […]

  14. […] научили, че сметката е била затворена въз основа на Член 25/2008 (порт): пране на пари и финансиране на тероризъм. Те са […]

  15. Manuel Gonçalves diz:

    Terrorista é aquele que provoca o Terror, visto nestes termos o único terrorista aqui é o Estado que provoca o Terror na população nacional, não olhando a meios para atingir fins, passando por cima dos princípios constitucionais democráticos, é revoltante e seguindo estes princípios todos os portugueses deviam fazer um boicote aos impostos, alegando o terrorismo do Estado.