Entrevista com LulzSec Portugal

Hoje o Tugaleaks apresenta uma entrevista com o grupo considerado hacktivista por uns e ativista por outros mais famoso em Portugal pelos recentes ataques a sites ligados ao Governo e à corrupção em geral, o LulzSec Portugal.

Tugaleaks: LulzSec Portugal para os poucos que não vos conhecem, quem são e como se identificam?
LulzSec Portugal: Somos apenas um grupo de autodidactas descontentes com as medidas do Governo e com a corrupção em geral. Há quem nos chame de “hackers”, embora não nos consideremos como tal.

TL: Alguns têm feito críticas e outros apoiado, as várias incursões em defaces por mais de 20 sites até agora. Como vocês vêm esse movimento? São mais a favor, são mais contra?
LP: O nosso objectivo passa por mostrar o nosso descontentamento com as medidas do Governo. Os defaces servem para nos expressarmos, no fundo é o nosso protesto. Nesta “luta” tentamos “elevar” a voz do povo, mostrar que as pessoas estão desagradadas. Em relação às críticas, é impossível agradar a gregos e troianos, “Deus” não agradou a todos portanto não vamos ser nós a agradar

TL: Existem várias tentativas de contacto dos media para falarem com vocês e até hoje esta foi a primeira entrevista publicada. O que vos leva a, até ao momento, terem evitado o mainstream media?
LP: Temos dito aos media (que nos contactam) que o nosso objectivo não passa pela fama. Não queremos que nos vejam como uns miúdos à procura da fama. Somos um grupo com uma ideologia, e lutamos por essa mesma ideologia.

TL: Já tiveram até ao momento algum problema legal com a PJ ou PSP? Sabem se algum dos defaces efetuados está atualmente em investigação por alguma força policial em Portugal?
LP: Até ao momento não tivemos problemas.

TL: E esperam vir a ter no futuro?
LP: É provável mas não estamos preocupados com isso.

TL: Quando fazem defaces fazem estragos? Quando fazem leaks de bases de dados, deixam-nas no servidor ou apaga-mas?
LP: Quando fazemos defaces não apagamos nada dos servidores. As BDs apesar de serem expostas, nunca são apagadas. Não estragamos nada nos servidores, o objectivo nunca foi nem será destruir.

TL: Para haver um deface tem que primeiro haver uma falha. Consideram que os sites geridos ou feitos por empresas para o Governo têm um nível de segurança baixo, para ser fácil o acesso alheio?
LP: Infelizmente em Portugal não se dá valor à Segurança Informática, e isto no futuro pode trazer graves problemas para o País a nível de “espionagem eletrónica”. Existem muitos sites importantes com passwords em plain text, ou passwords sem a mínima segurança, como por exemplo “123456”, “password”, “password123”, enfim há de tudo. Talvez os nossos “ataques” ajudem a melhorar a segurança informática no nosso país.

TL: Atualmente por quantos elementos é composto o LulzSec Portugal?
LP: Todos os dias juntam-se novos elementos, neste momento é impossível dizer quantos somos ao todo.

TL: E algum de vocês têm algum background em segurança ou informática, ou o vosso conhecimento surgiu por paixão?
LP: A maior parte é por paixão, como disse anteriormente, somos autodidactas. Gostamos de estar sempre a aprender e a estudar novos métodos.

TL: Quem estiver a ler esta entrevista e se decidir juntar a vocês, como podem contribuir? Qual é o primeiro passo?
LP: Qualquer pessoa que queira ajudar pode fazer parte do grupo. Podem contribuir com críticas, com suspeitas de corrupção, com notícias, etc. Para isso basta enviarem um email ou entrarem no nosso canal do IRC.
É importante que as pessoas mostrem o seu descontentamento.

TL: Têm receio que o vosso canal de IRC esteja já “monitorizado” como aconteceu em Espanha e outros países onde houveram ataques?
LP: Como disse anteriormente, não estamos preocupados, podem fazer a “monitorização” à vontade, chegar até nós não vai ser fácil.

TL: O LulzSec Portugal tem também apoiado e feito retweets de movimentos como o Ocupar Lisboa. Consideram que Portugal está numa fase de descontentamento que por si só têm aumentado os movimentos de contestação?
LP: É do conhecimento de todos que o povo está descontente, estamos a viver uma situação de contenção, todas as pessoas têm que “apertar o cinto” menos os políticos, é normal que as pessoas se revoltem. É assim que tem de ser, já chega de comodismo.

TL: O que acham dos movimentos atuais como o Ocupar Lisboa, Precários Inflexíveis, Indignados Lisboa, Zeitgeist Portugal, etc?
LP: Todas as “organizações” que tenham o objetivo de mudar o rumo deste país achamos que merecem o nosso aplauso.

TL: O que se pode esperar do LulzSec Portugal no futuro?
LP: Pode esperar-se muita “luta” contra a corrupção, muitas mentiras irão ser reveladas, e os protestos vão continuar.

TL: E por fim, que mensagem pretendem deixar aos Portugueses que lêm esta entrevista?
LP: Queremos dizer aos Portugueses que há que lutar, já chega de ficar no comodismo, não adianta de nada estar sempre a reclamar sem sair do sofá. Há que sair à rua, protestar, não fazer greves por tudo e por nada mas sim greves organizadas, greves que causem o verdadeiro impacto que façam parar o País. Só assim vamos conseguir mostrar o nosso descontentamento.

Obrigado ao grupo LulzSec Portugal. Da nossa parte, vamos ter sempre uma porta aberta às vossas notícias e teremos certamente muito mais para dizer sobre vocês no futuro!

Comentários

20 Comments

  1. Este ano fiquei c o meu endereço de email bloqueado 2 vezes e por insistência minha junto da operadora consegui reavê-lo . acontece isto a muitos endereços e as pessoas sentem-se obrigadas a criar outro . sinto uma grande invasão de privacidade nas comunicações informaticas e telecomunicações .sinto que aqui tb é uma fonte de grande controle sobre o que as pessoas fazem e pensam.
    o sistema bancario exerce um pressão abusiva mas legal sobre as pessoas que não conseguem pagar um valor de credito tornando impossível a recuperação da sua estabilidade financeira .
    não há liberdade de expressão para quem tem estatuto precário no trabalho .
    sinto uma pesada aliança entre o sistema politico , financeiro , economico , informatico e telecomunicações que impedem o bom funcionamento dos direitos humanos .
    estou disponível para colaborar em acções de divulgação que possam contrariar o isolamento e devolver os direitos aos cidadãos . Bem haja !

  2. Boas amigos LulzSec Portugal, gostaria apenas de dar a minha opinião sobre os vossos ataques, concordo com a maneira como o fazem e os objectivos que os levam a fazer isso, mas do ponto de vista informatico e apoiante do opensource, penso que deveriam de ter atenção aos ataques que fazem aos poucos sites nacionais desenvolvidos em liguagens open(php), com todos esses ataques estão a fazer com que algumas entidades pensem em trocar os php’s por apsx micro$oft’s. assim estão a fazer aumentar o capitalismo e os gastos em ti não nacional, opinião minha. concentrem os ataques nos poderes economicos Micro$oft… cumps

  3. Na minha opinião a vossa luta está apenas a acelerar as novas leis no que toca à internet, ou seja, brevemente vamos ser ainda mais controlados devido aos vossos DDOS… Podiam usar os vossos conhecimentos de uma forma mais inteligente, e obter mais sucesso! Pensem nisso, vocês não vão durar muito, a bófia logo vos joga a luva, mais cedo ou mais tarde! Usem o cérebro e comecem a fazer uma revolução inteligente!!!

  4. #naodigo

    Falas em usar os conhecimentos deles de forma mais inteligente mas também não dizes como. Que revolução inteligente é essa que tu falas?

    Com sugestões destas mais vale estar calado.

  5. Sendo esta a réplica portuguesa de um sismo global de transparência, muito ainda haverá a fazer para recolher na “cloud” a informação que realmente interessa aos portugueses.

    Exemplos:

    lista de devedores ao BPN que nunca cumprirão com os seus compromissos (sendo injustamente substituídos pelos contribuintes).
    lista de credores titulares da dívida pública portuguesa

    Um bem hajam!

  6. Altho manifestaçoes pacificas, e ddos attacks podem alternar alguns caminhos. Nao nos vai levar a lado nenhum, mostra o nosso descontentamento,mas eles estao se a cagar para nos.
    Isso ja foi provado a muito tempo. Se nao sao script kiddies ,entao saquem nos nomes, ficheiros, transaçoes que poçamos utilizar. Isso de denial of service e uma treta.

  7. Uma sugestão: chegaram ao público notícias de prescrição relativas a dívidas ao fisco e à Segurança Social. Seria interessante verificar se dos devedores constam políticos, familiares destes ou empresas com capitais ou sob gestão destes.

  8. Eu já não acredito que Portugal combata eficazmente a “corrupção”,
    esta corrupção é apontada como sendo a principal causa da divida do estado.

    se calhar só mesmo com “terrorismo” é que o cidadão comum pode ajudar a combater a corrupção,
    estes corruptos são terroristas de certeza 🙁 muito dificil de “combater”, se não forem usados “métodos semelhantes”.

  9. @pythonz0r
    Havij não faz tudo.
    É preciso saber como um Sistema funciona para saber invadir-lo.
    É sempre possível invadir sem ferramentas. Exploração de bugs 😉

    Escusa de responder porque dei um fake mail, ou seja não irei receber nada.

    Acho que Portugal se deve manifestar mais. E dou 100% razão aos lulzsec e aos anonymous, é quase a mesma coisa.

    Fique bem.

  10. zic3 :
    Boas amigos LulzSec Portugal, gostaria apenas de dar a minha opinião sobre os vossos ataques, concordo com a maneira como o fazem e os objectivos que os levam a fazer isso, mas do ponto de vista informatico e apoiante do opensource, penso que deveriam de ter atenção aos ataques que fazem aos poucos sites nacionais desenvolvidos em liguagens open(php), com todos esses ataques estão a fazer com que algumas entidades pensem em trocar os php’s por apsx micro$oft’s. assim estão a fazer aumentar o capitalismo e os gastos em ti não nacional, opinião minha. concentrem os ataques nos poderes economicos Micro$oft… cumps

    @zic3

    Apoiado a 100% façam melhor, ajudem e apoiem os criadores portugueses ,criando defesas contra outros ataques, façam como os programadores russos que se autodefendem e apoiam

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver
Esconder