Um professor com uma Graduação Profissional de 2102,584 foi excluido dos concursos de professores. Por vezes, o “erro” não compensa.

 

O erro não compensa: professor com “classificação duvidosa” é excluido de concurso

 

O Tugaleaks tem denunciado várias situações onde os números não batem certo. Nomeadamente, pessoas com 2100 anos de vida e também pessoas com mais anos de serviço do que anos de vida.
Estes “erros” podem ter agora um fim à vista.

No Agrupamento de Escolas Dr. Azevedo Neves, na Amadora, existe um profesor com uma Graduação Profissional de 2102,584 como pode ser comprovado aqui. Esta informação, ao contrário das outras indicadas anteriormente, foi descoberta há pouco tempo pela nossa equipa.

Tendo em conta que a fase dos concursos e selecções já estava terminada, o Tugaleaks decidiu contactar a escola. Pelo conselho directivo, foi-nos dito que não havia ninguém a trabalhar nessa escola e que “a pessoa tinha sido excluida do concurso”.

Ainda não é claro se os outros dois exemplos do Tugaleaks foram também excluidos, mas as eventuais acusações de “tachos” que eram feitas nos outros exemplos podem afinal resumir-se a um “erro” de preenchimento.

 

O ano “mais duro para os professores” na educação

Segundo um professor contactado pelo Tugaleaks, que pretende ficar anónimo, este é um ano “mais duro para os professores” que este docente presenciou. Falam-se em ameaças e em problemas “como nunca antes vimos, por culpa em parte da austeridade”.

O Tugaleaks entende, neste contexto, que a educação não deve ser sacrificada pela falta de zelo dos dinheiros públicos do estado, e também que o “erro” não compensa.

Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver
Esconder