O Tugaleaks é um órgão de comunicação social verdadeiramente independente. Não temos qualquer publicidade no site. Consulta aqui o nosso relatório de transparência mensal.

Envia a tua denúncia anónima aqui

Governo demora mais de dois meses a traduzir o que tenciona cumprir por toda a nação, enquanto existem parte da população não dominam o Inglês.

 

Governo demora dois meses a traduzir o Memorando da Troika

 

João e Nuno são dois cidadãos e criadores de um site que tenta “simplificar” o Quinto Memorando da Troika. Criaram-no, em parte, pelo facto de que passados mais de dois meses o Governo Português ainda não ter feito a tradução de um documento essencial para o entendimento das medidas que devem ser tomadas e das medidas que irão ser tomadas.

Devido ao facto da algumas camadas da população terem um fraco domínio do Inglês, os autores deste site perguntam pr isso  “sem conseguirem ler o texto, como podem os eleitores avaliar a ação governativa?”.
Afirmam ainda que a não disponibilização do mesmo em formato facilmente consultável e acessível tanto ao público em geral como à comunicação social. “é como senão quisessem que fosse lido ou discutido. Referem-se sistematicamente a ele como uma entidade omnipresente em todas as políticas desumanas que aplicam mas na realidade não o disponibilizam ao público”.

João, um dos criadores do site, em declarações ao Tugaleaks afirmou que “o Governo usa a desculpa do “está escrito no memorando” a toda a hora, e ninguém se preocupa em mostrar a toda a gente exactamente o que está escrito. Já por diversas vezes vi que o que estava no documento era vago e permitia outras abordagens. Para ilustrar aquilo que digo, é como o Memorando dizer que é para bater numa pessoa e provocar a queda dela, mas não especifica onde temos de bater”.

O site está dividido em categorias para melhor ser entendido o conteúdo do memorando e tem uma nota explicativa na página inicial sobre o funcionamento do site e a sua estrutura.

Embora o site do Governo de Portugal, na parte onde devia ter os downloads em Português, não tenha qualquer tradução do quinto memorando, no quarto ainda falta um dos documentos por traduzir, ou seja, o período é bastante mais alargado se contarmos com o outro documento o período é bastante mais elevado.

 

Ir para o site Memorando da Troika

Comentários

5 Comments

  1. Estas foram armas que Salazar nunca teve,mas estes aprendizes até isto têm para utilizar as ideias Salazaristas,tirar a cultura a um povo para que ele seja submisso…MAMA/SUMAE

  2. O Estado esse Grande PATRÃO

    Os empregados do Estado em Portugal existem fundamentalmente para melhor enganar, aldrabar, vigarizar, desviar e roubar o próprio PATRÃO (Estado) em completa legalidade, impunidade e imunidade pois há que precisar que tudo na Constituição Portuguesa (a fazer passar por deficiente mental o maior dos vigaristas) se encontra reunido de uma forma magistral e exemplar para favorecer, beneficiar e proteger em exclusivo os empregados do Estado e em nada o PATRÃO.
    Os empregados do Estado são todos aqueles que recebem uma remuneração em troca de um suposto ”trabalho” na chamada função pública. Ex. : Presidente da Répública, Primeiro Ministro, Ministros, Parlamentares, Secretários, câmaras, juntas, finanças, justiça, militares e etc., etc., etc., etc., etc.
    O engraçado e mais estranho e estúpido nisto tudo é que o PATRÃO (Estado) é o próprio POVO que não tem poder absolutamente algum nas decisões da Répública e nunca terá porque a Constituição assim não o permite ao contrário do poder absoluto dos Políticos que mandam de mão de tiranos e cara de Anjos.
    Impossivel de se encontrar PATRÃO mais condescendente, generoso, ignorante e cego.
    Também por isso é que nunca houve não há e nunca haverá melhor ”emprego” que o de ser empregado do POVO (Estado).
    CONCLUSÃO : Temos que acabar completamente e radicalmente com a Constituição Portuguesa e criar uma nova Répública de raíz ou adoptar um sistema político estrangeiro que se saiba funcionar.
    ASSINADO : Aremando Zarpa

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver
Esconder