“Querida ex-mãe” foram as palavras de abertura do depoimento do jovem de 19 anos cuja mãe foi condenada até 30 anos por usar violência excessiva e sistemática contra ele.

O jornal Concord Monitor regista que entre as acusações também inclui-se adúltero de testemunhos, como também uma alternativa a pena, estabelecida em 200.000 $ de fiança.
Christine Gelineau, de 53 anos e residente de Concord, no estado de New Hampshire, USA, confessou que o filho foi alvo a uma serie de torturas, tanto da sua parte como de outras duas pessoas, já identificadas e que estão a espera do julgamento. Trata-se de Daniel Tyler Catrell, de 20 anos, e Amy Nason, a prima da vítima e noivo da Catrell, de 29.

Mãe condenada por queimar pénis de filho

Segundo o Huffington Post, entre os vários actos violentos descritos por ambas as partes, as acusações mais recentes incluem a mãe ter queimado a ponta do pénis do rapaz com um isqueiro depois de alegadamente o obrigar a comer fezes humanas, provocando queimaduras de segundo e terceiro grau e danificando permanentemente o nervo.

Catrell confessou usar violência física várias vezes para com o jovem a pedido da mãe deste e de já o ter obrigado a beber urina. Vais ser ouvido no tribunal nas próximas semanas tal como a Amy Nason.
“O que me fizeste é imperdoável (…) Espero que percebas que acabaste de perder tudo o que tinhas.” continua o jovem, num depoimento extensivo e bastante descritivo, no dia do julgamento. O caso chegou à polícia em Abril, quando a Divisão da Criança, Jovens e Família foi contactada pelos pais duma rapariga de 12 anos que visitava frequentemente a família, confessando ter reparado em vários sinais físico de abuso no jovem, na altura com 18 anos.
O jornal britânico Daily Mail conta como inicialmente os testemunhos tanto da vítima como da mãe alegavam auto-infligindo, para mudarem o depoimento escassas semanas depois. O rapaz confessou ter mentido por medo.

Ninguém parece, porém, saber exactamente o motivo que levou a estes actos violentos. O jornal também sustenta que indagados sobre o assunto, a única ideia consistente confessadoa pelos agressores é a de vingança, embora os procuradores do caso ponderam a possibilidade de isso ter acontecido porque a vítima, que sofre duma deficiência mental, ter perdido o direito ao subsídio de doença por não se ter matriculado em tempo útil na escola.

O Assistente do Ministério Público encarregue do caso, George Waldron, disse ser de longe o caso mais horrendo que encontrou na sua carreira, enquanto o advogado Scott Murray esta de opinião que os danos psicológicos vão levar muito tempo para curar.

 

Actualmente o jovem vive com os tios em Massachusetts e voltou a frequentar as aulas.

Comentários

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver
Esconder