Chamou o Ministério Público de “ladrão” por lhe ter “metido” 6.7 milhões ao bolso. Diz ainda que vai pedir uma indemnização a Portugal por terem deixado prescrever o processo.

O caso, que parece insólito, aconteceu mesmo. Num grupo do Faceboo chamado QUE SE LIXE A TROIKA – QUEREMOS AS NOSSAS VIDAS – a Luta vai Continuar o empresário e antigo arguido Manuel Macedo afirmou que o Ministério Público era “ladrão” porque “deixou prescrever o processo e me meteu 6.7 milhões no bolso”.
Além de confirmar que tem na sua posse esse montante, afirma ainda onde é que ele está: ” Se mos tivesse exigido a tempo, eu tê-los-ia pago. Assim….. ficam no banco, no Luxemburgo. Sobre isto já disse tudo. Queixa-te á PGR. Basta que mandes a noticia pra a PGR e ainda te podes constituir assistente no processo”.

A discussão começou quando Manuel Macedo se queixava das atitudes dos administradores do grupo TRIBUNAL NA JUSTIÇA, também no Facebook. O post está público e pode ser visto por qualquer pessoa que tenha uma conta Facebook.

 

10295817_640850915986988_1417940918256326737_n (1)

 

 

Quem é Manuel Macedo?

Um artigo do Expresso, datado do início deste ano, afirma que Manuel Macedo ” ficou conhecido por defender os interesses da Indonésia na altura da ocupação de Timor-Leste, esteve, em 2003, seis meses em prisão preventiva por causa deste processo, que corre no Tribunal de Barcelos”.
O processo arrastou-se durante dez anos, sem nunca existir acusação. É por isso que Manuel Macedo irá pedir a indemnização no Tribunal Europeu, possivelmente por atraso na justiça.
Continuando na área dos processos não concluídos, disse o Publico em 2002 que “as suas actividades de apoio à ocupação do território de Timor pelo regime de Suharto terão motivado uma outra investigação, para apurar presumíveis actos de espionagem a favor da Indonésia. Este inquérito não teve continuidade, sendo arquivado pelo Departamento Central de Investigação e Acção Penal”.

Contactado pelo Tugaleaks, Manuel Macedo afirmou que o Tugaleaks podia publicar “o que quiser” e que “[e]m sede própria eu responderei. Mas, tal como a muitos outros, também o aconselho a queixar-se da prescrição do processo à PROCURADORIA GERAL DA REPUBLICA”.

 

563976_530752636940044_1136388879_n

 

 

Prescrever processos tornou-se moda?

Há poucas semanas o Tugaleaks noticiou que uma procuradora, classificada como “medíocre” pelas avaliações internas, deixou prescrever dezenas de processos importantes. Na altura, no acórdão dos juízes podia ler-se que “a produtividade extremamente reduzida, o desempenho funcional descuidado, os atrasos relevantes em processos urgentes e de risco, a somar às apontadas deficiências técnicas, são índices de que a continuidade da requerente em funções é danosa para os cidadãos e compromete a regular administração da justiça.”

Comentários

Responder a Anónimo Cancelar resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver
Esconder