Cavaleiro tauromáquico afirma não ter “intenção de magoar ninguém”. Os manifestantes não se conformam e apresentaram queixa na GNR. O Tugaleaks disponibiliza o documento.

A GNR é a principal visada nesta situação. Estavam a demasiados metros do local e permitiram uma ou ambas das versões das partes: o apedrejamento do cavalo, e o cavaleiro a investir nois manifestantes.

 

Manifestação anti-tourada acaba com queixa na GNR para Marcelo Mendes

 

 

Ana Lúcia Araújo mora ma Murtosa há 10 anos e aderiu ao evento do Facebook que incentivava à concentração e ao envio de mensagens à Câmara Municipal de Murtosa. Esteve lá quando o cavaleiro  Marcelo Mendes investiu sobre os manifestantes, e conta que “foi mesmo uma sorte não ter havido pessoas feridas da primeira vez. Nas imagens eu estou a agitar um xale preto e sou uma das últimas do grupo sentado, e digo, custou-me fugir para trás da barra de ferro que limitava o campo e as silvas”.

 

Sobre a intervenção da polícia, Ana diz que na sua opinião “a polícia falhou em não estar colocada nessa área vazia, mas acho que nem a polícia calculava que um cavaleiro fosse se aventurar para onde estávamos”. Afirma ainda que “após o segundo ataque a polícia de intervenção já se colocou e fez uma barreira, e o cavaleiro ficou a andar atrás do cordão policial, colado a eles com o cavalo, desafiando-os inclusive, ameaçando claramente querer furar o bloqueio”.

Em declarações à RTP, que não mencionou a proveniência das imagens, o cavaleiro esclarece que na segunda vez tentou apanhar um manifestante que lhe tinha tecido declarações que faziam referência a um cavaleiro ter “ficado paralítico”. Disse que “como não havia ali polícia nenhuma”, o que corrobora a versão dos manifestantes, tentou apanhá-lo .Para quê e com que intuito, não se sabe.

 

Várias queixas na GNR, um só agente para as receber

Ana contou também ao Tugaleaks que viu “pelo menos 20 pessoas na GNR ontem. como só havia um agente para receber as queixas, eu e outros que moramos aqui cedemos a vez às pessoas de outros concelhos. Mas hoje eu vou lá formalizar a minha e os outros também”.
O Tugaleaks teve acesso ao documento que foi dado ontem quando uma manifestante foi apresentar queixa.

 

Queixa - página 1

Queixa - página 2(clica para ampliares)

Download dos documentos aqui

 

O cavaleiro não esclareceu até ao momento se iria apresentar queixa, mas certamente tentou “apanhar o manifestante”.

 

Imagem: Ribeirinhas TV

Comentários

14 Comments

  1. O cavalo foi usado como uma arma, era obrigação da GNR apreender o animal e efectuar as averiguações devidas. Seria esse o procedimento com qualquer arma. Além do mais, a obrigação da GNR era fazer o indivíduo descer do cavalo, levá-lo para a esquadra e proceder à identificação da pessoa. Aposto que ele se encontrava sem identificação legal e portanto cometendo mais um atentado à lei..O mínimo como pena a aplicar a este energúmeno é um ano sem poder aproximar-de menos de cinco metros dum cavalo, mesmo que seja num carrossel!

  2. Tendo em conta as imagens que passaram há uns dias, em que se via claramente uma “senhora” a pontapear um carro… não tenho grande dificuldade em acreditar que alguém tenha tentado apedrejar o cavaleiro.

    Aliás, basta ler os comentários – carregados de insultos e ameaças – que vão aparecendo no Facebook para perceber que entre os anti-touradas há gente muito violenta!!!…

    Já que se fala da ilegalidade cometida pelo cavaleiro, era interessante saber se esta manifestação estava devidamente autorizada…

    1. Sr Pericles Pinto. Segundo a constituição é dado o direito de manifestação de qualquer cidadão sem prévia autorização. Deixe de alimentar mitos jurídicos e de distorcer argumentos.

  3. 1/as manifestações não tem que ser autorizadas, a sua realização tem que ser comunicada à câmara municipal nos termos da lei
    2/os manifestantes foram incomodados repetidas vezes por aficionados claramente ébrios e com atitude agressiva
    3/agradeço me dê o link da suposta senhora a supostamente pontapear o suposto carro – não basta dizer o que se quer, é preciso provar!
    3/a investida do “cavaleiro” está devidamente documentada por imagens que não deixam margem para dúvidas. e corroborada pelas suas tristes declarações.
    4/ a atitude passiva e irresponsável da polícia será alvo de inquérito.

  4. A mim aqui, para além de me chocar o fato das investidas e das mentiras descaradas desse senhor (disse ao Público que o cavalo estava em stress, o que se pode desconfirmar pelas imagens) é a atitude da GNR. A 30 metros do local e não fez nada. Gostava de comparar esta atitude da GNR com a atitude que tem contra os manifestantes do Zé Povinho quando estão contra os cortes nos salários e o desemprego.
    Gostaria de dar uma palavra a quem diz que os manifestantes pontapearam um carro (a serem verdade concordo que se realizem inquéritos) concordo que sejam punidos, mas justifica que se vire um animal com esse porte contra pessoas (que não são as mesmas que riscaram, pisaram, etc os carros??) Se assim o for, no outro dia riscaram-me a porta do carro no Hipermercado, com aqueles carrinhos de compras. Se amanhã pegar no carro e começar a tentar atropelar as pessoas que saem desse hipermercado também é um ato justificado? Ah e se chamarem nomes ainda apresento queixa!

  5. Não sou apenas a favor das touradas como sou completamente a favor do regresso das arenas de gladiadores o mais urgente possível para entreter o País, uma vez que da net já quase não se saca mais nada. Quanto ao cavaleiro, ele agiu muitíssimo bem. Tourada é cultura e património Portugues. Quem se ofende deve abster-se de lá ir e pronto. Chega de palhaçadas de pseudo manifestantes.

  6. e saberem onde mora o senhor?
    se conseguiram saber quem eram os nomes dos maçons , isto para grupos hackars é canja.

    hacks , só vcs salvam o mundo.

  7. No More Manifs:

    Aqui não está em causa o concordar ou não com touradas. Está em causa o direito às manifestações perante situações que as pessoas discordam. Se é contra as manifestações é consigo, respeito a sua posição. Mas tal como se as touradas fazem parte da cultura portuguesa, as manifestações fazem parte dos nossos direitos enquanto cidadãos.

    Nem o cavaleiro fez bem nem os manifestantes (a se provar verdadeiro) fizeram bem em riscar carros ou atirar pedras. A agressividade é a forma mais básica de lidar com as frustrações. Todos os animais «se viram» quando os frustram. O que nos distingue deles são atitudes mais racionais. Se pudessemos andar por aí com cavalos ou com pedras a atacar todos os que nos incomodam isto era a anarquia. Se acha que isso é solução então aconselho-o a usar daquelas camisas brancas com fitinhas nas mangas.

  8. Eu estive na manifestação, sou uma das vítimas e vou processar o referido cavaleiro. Não concordo, entretanto, e não acho razoável, colocarmos “no mesmo saco” o agressor e a GNR. A polícia agiu com as limitações que tem, mas agiu, evitando um mal maior, tendo sido desobedecida inclusive, pelo agressor, que parecia não querer parar. Nem a polícia nem ninguém ali contava que algum cavaleiro fosse se aventurar para onde nós estávamos. Era impensável. Tratar o “Mentes” e a GNR nos mesmos termos é tratar do assunto com ingenuidade política. Eu se fosse a polícia o teria preso em seguida, por desacato, inclusive. Mas ainda acho que se não estivesse lá a polícia teria havido mortes, porque ele voltaria a atacar. Como vítima, quero que o debate sobre o assunto do protesto tenha seguimento (o fim das touradas) e quero realmente a punição do cavaleiro, não quero apenas blá-blá-blá entre partidos e organizações, uns a cobrarem dos outros. Quero ver quantas pessoas levarão adiante a denúncia feita. Lembrem-se: não é a GNR que organiza touradas, mas empresas caçadoras de dinheiro fácil, que devem ser investigadas. Tem muita gente preocupada com o “cocó” do cavalo do bandido…

  9. Vania,

    então não era fixe andar a cavalo a atirar pedras? 😉 alinha e vamos eu e tu fazer isso lá para a AR, ou senão numa recepção da Troika. Se deres mais pedradas que eu, visto a camisa com fitas. Combinado?

    Já agora, sugiro aos Tugaleaks e aos anonymous a quem eu muito admiro, que façam uma devassa a algo que ainda ninguem fez: os dados financeiros dos chineses em Portugal. Quem são, o que tem em seu nome, bens, etc. enfim, uma devassa completa e justa a quem para ca veio destruir o pouco que tinhamos, para a besta do Povo não ir la gastar mais e enriquece-los ainda mais.

    Grande abraço!

  10. Ana Lúcia Araújo,

    Antes de mais lamento a situação que passou e admiro a vossa determinação na luta pelo que acreditam quando muitas vezes a força política faz uma luta desonesta.

    Quanto à atuação da GNR, o meu comentário baseou-se nas imagens que passaram na TV e nas do youtube. E de fato parece que a sua atuação prima pela inatividade, mas as imagens valem o que valem e o seu testemunho enquanto vítima tem muito mais valor.

    Quanto à atitude daquele senhor (com letra pequena propositadamente, devido aquilo que vi pela televisão) espero que pelo menos abram um inquérito para perceber o que aconteceu e que as vítimas não vejam ficar tudo em águas de bacalhau.

    Já agora, é verdade que os manifestantes atiraram pedras ao cavalo, riscaram carros? Ou é manobra?

    No More Manifs:

    De fato às vezes apetece atirar umas pedradas às gentes da troika, aos seus paus-mandados e aos altos dirigentes de algumas empresas que todos os meses me vão ao bolso. E merecem!!! Mas do apetecer ao fazer vai uma grande diferença.

    Não se pode comparar com as gentes da troika e afins com cidadãos que estavam a usar do seu direito de estarem contra uma coisa e se manifestarem. Assim como concordo com as manifestações dos desempregados, com a dos homossexuais sobre o casamento e adopção…. Não quer dizer que concorde com eles, mas têm o direito de mostrar as suas ideias e de se manifestarem (pacificamente).

  11. Preocupavam-se era com coisas mais importantes, deixai os touros e as touradas se entenderem, HOMEM VERSUS ANIMAL.
    EU QUERO VER se esses indivíduos contra touradas vão estar na manif da cgtp também.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver
Esconder