Se não te chamas Vera Pereira, esta oferta de emprego não é para ti. No site do IEFP uma oferta de Educadora de Infância mostra na parte “Outros conhecimentos” a mensagem “SÓ A ADMITIR A VERA PEREIRA”.

 

Oferta de emprego... apenas para a Vera Pereira

 

O desconforto para com o IEFP pelos cidadãos que continuam desempregados é já grande. É também facto público que existem ilegalidades dentro dos próprios sites de emprego do governo, o que é manifestamente o caso, embora se possa tratar simplesmente de um erro inocente. Também não é novidade que as ofertas de emprego com valores abaixo dos permitidos por lei estão a aparecer todos os dias.

O que ninguém esperava era que, de forma tacita e coesa, fosse anunciado o “vencedor” do concurso antes das pessoas se possam candidatar.
No anúncio publicado no site do IEFP (netemprego.pt) e também no site “oficial do governo” (netemprego.gov.pt), pertencente ao Ministério da Economia e do Emprego, pode-se ler na parte “Outros conhecimentos” a mensagem “SÓ A ADMITIR A VERA PEREIRA”.

 

Anúncio do IEFP

 

 

O anúncio contém ainda outros problemas, uma vez que no sector de actividade menciona pessoas idosas mas na profissão menciona educador de infância.
Assim, a oferta 587847025 do site contém irregularidades e mantém-se online até ao momento desta publicação. É um tacho evidente… para a Vera Pereira.

O Movimento Sem Emprego (MSE) que tem há vários meses promovido campanhas e manifestações contra o Governo por achar que os esforços deste não se adaptam à realidade – como o caso do Impulso Jovem – tem um contador que apelidam de “real”e que é bem diferente dos números do Governo.

António Roberto, “apenas” mais um desempregado, afirmou ao Tugaleaks que “É aí nesse site que vou todos os dias pesquisar, a cada dia que passa a vontade de desistir é enorme, pois é um site oficial onde os desempregados se registam para procurar o que é raro existir em concreto. O IEFP agora ‘delegou’ nas juntas de freguesia algumas das suas competências mas a trampa é a mesma”.

Hoje, o tacho torna-se visível. Hoje o emprego vai para a Vera Pereira.

 

ACTUALIZAÇÃO 9H50M: A Vera já “saiu” do anúncio

Comentários

65 Comments

  1. Posso afirmar que vi em segunda mão essa oferta. A minha namorada foi pesquisar ofertas de emprego para educadoras de infância e deparou-se com essa alarvidade. Não pude deixar passar essa vergonha e tive logo de publicar. Espalhem o máximo possível para que se veja bem o que se passa.

    1. No mínimo; alguém com responsabilidade nesta situação devia perder o emprego.Deveria ser o ministro ou secretário de estado que tutela este organismo,

    2. Só não é normal o nome do candidato estar online. As empresas podem contratar, ao abrigo dos programas de apoio indicando qual o candidato que pretendem. é perfeitamente legal. Se ao menos soubessem do que falam…

      1. Eu não acho nada normal um não anuncio estar online. Pois isso é um não anuncio de emprego. Já tive amigos meus chamados ao centro de emprego, e quando lá chegaram as vagas estavam ocupadas por “Vera’s Pereiras”.

      2. Em concursos públicos? Empresas? se há um concurso publico, (acho que a conjugação das palavras são bem claras). Se não é um concurso publico é uma nomeação, sendo então mal publicada, não é nas “ofertas de emprego” mas sim numa secção de nomeações……

  2. É lamentável tudo isto e concordo com o aqui exposto, mas sinceramente ainda não vi ninguém afirmar onde quer que seja, publicamente de que há muitos desempregados mas há mais que não querem fazer nenhum, uns porque estão a “mamar” subsidios do estado e outros porque não querem fazer mesmo nenhum pois têm alguém que os sustenta…
    Na empresa onde trabalho, há muito trabalho para quem quiser, não são empregos, é trabalho, mas depois de concorrerem não sei quantos, ou não aparecem ás entrevistas ou não lhes interessa o trabalho, ou simplesmente como acontece muitas vezes, não se apresentam ao trabalho porque ficam na cama a dormir… Então eu pergunto, será que o real desemprego é o que apregoam, ou são mais os que não querem trabalhar??? Tenham coragem para denunciar estas coisas. Enquanto os governos não cortaram para metade o valor dos subsidios e dar apenas subsidios apenas em 5 ou 6 meses, acraditem que a taxa de desemprego baixa consideravelmente.

    1. Lamentável este comentário. Já só cá faltava um comentário fascista de um pequeno empregador que se julga melhor que os outros. Quando as grandes multinacionais vierem para Portugal fazer concorrência à tua pequena empresa vais ver a tua vontade em trabalhar para os outros…

      1. Espera até ele dizer o quanto paga e por quantas horas de trabalho.
        Deve ser tipo salário mínimo, sem horário de trabalho. Depois queixe-se de que tem lá “tantos trabalhos vazios”. Ele que os faça!

    2. Sr Luis Santos, Trabalho há muito, mas as pessoas precisam de comer e de pagar rendas, e sustentar a familia.Essa das pessos não querem trabalhar é conversa de “Diarrea” pois os traballhos que aparecem nem dão para pagar os transportes.Talvez que o Sr Santos queira experimentar oferecer o seu trabalho a um desses “preguiços”, e pegar o Sr mesmo, num desses trabalhos que “Ninguém quer fazer”. Que tal, aceita a oferta? OUvi muito disso, mas quando se verifica que trabalho é, e quanto paga, e as horas de trabalho…percebe-se pq ninguem lhe pega. De certeza que não há nenhum trabalho que paga mil/mês ou mais euros disponivel.São tudo uma cambada de exploradores que querem é escravos.

    3. ola boa tarde sou jose pereira e vim lhe responder ao seu comentario tem toda a razao de haver pessoas a nao querer trabalhar eu nao sou uma delas so nao tenho tido sorte porque quando vou a uma entrevista me dizem logo tem 40 anos e lamentavel eles me acharem ja velho amigo se voçe tiver trabalho para mim e so dizer que vou logo a correr nao vivo de rendimentos nem de nada tenho fome nao tenho de comer e muinto triste agora pensse amigo da que penssar nao

    4. qual a empresa? Ou vai ficar calado pq não fala a verdade?. Estou desempregado, sou arquitecto, tenho trabalhado como serralheiro em trabalhos ocasionais e em ladrilhador em outros. Estou disponivel. Quer revelar-nos a sua ILUMINADA empresa? Vou para jºa trabalhar seja o trabalho que for. Agradeço. E adoro receber 430 euros de desemprego. é -me tão grato e farto !! Aguardo a sua resposta.

    5. ola amigo eu sou desempregado e quero trabalhar

      onde e que tu trabalhas eu vou la escrever , e vqual e o trabalho , eu vivo em lisboa tenho 40 anos manda-me e.mail obrigada um abraço eu estou bituado atrabalhar no duro

  3. Ainda bem que tiraste um print porque os cabroes ja tiraram isso do anúncio…
    Ja uma vez tive uma situação com o centro de emprego,mas foi no ambito dos estagios profissionais, as condições que a pessoa que me entrevistou na entidade onde eu (caso passasse as duas fases) iria fazer estágio, nada tinham a ver com o que esta regulamentado, a nivel de horas semanais etc, o senhor ate queria que estivesse disponivel para os sabados se fosse preciso, e ate teria de desempenhar tarefas que nada tinham a ver com o proposito do estagio e pior teve a lata de dizer que o estagiario e um funcionario como os outros (supostamente o estagio nao seria para aprender a pratica? )so havia a diferença de no caso dos estagios o centro de emprego estaqr envolvido, mais valia ele dizer que no caso do estagio o centro de emprego contribuia com boa parte do ordenado e que ele queria era trabalhador a baixo custo! No dia seguinte a essa entrevista fui me queixar ao centro de emprego, falei directamente com a pessoa responsavel pelos estagios, que disse que iriam averiguar a situação e que caso assim fosse que essa empresa era tirada do programa, averiguaram tanto que passadas uma ou duas semanas recebo um email da e, presa a dizer que passe ha segunda fase…ou seja estão se completamente borrifando…

    1. não consegues perceber que o aumento de desemprego tem a ver com o momento da economia e despedimentos na função pública e nada tem a ver com a “preguiça” e “malandragem” dos portugueses? e quem recebe subsídio de desemprego é porque descontou para a seg. social, não sabes isso? tem coragem e cala-te!

  4. Com muita pena minha, e apesar de ser Vera Pereira, não sou eu a “Vera Pereira” contemplada!!! :/
    Se bem que eu não me importava muito de ir de Braga para Tavira, pelo menos no Verão!!! 😉

  5. Mas qual tacho? Mania das conspirações…
    O problema aqui é o excesso de burocracia que o governo e todos os orgãos públicos impõem em tudo.
    Se alguém proactivo entrar em contacto com uma empresa para integrar num estágio remunerado e quiser o apoio do IEFP não existe outra alternativa senão criar um concurso público…

    1. o filipe leandro tem razao… TACHO?!? VOCES VIVEM AONDE??? em portugal nao ha tachos!! nem tachos, nem sobrinhos, nem licenciados da treta, nem RHs zarolhos! portugal é só gente honesta e trabalhora! que mania da perseguição…

    2. O problema Filipe Leandro é esse mesmo, se se trata de um concurso publico é para todos não é só para alguns, pois muita gente “proactiva” também mandam C.V. para essas mesmas entidade mas só alguns entram pela “porta do cavalo”, ou julga que descobriu a pólvora?????,

      1. Não estou a dizer que está correcto.
        Só estou a dizer que o IEFP não dá outra alternativa, só apoia estágios remunerados se forem a concurso público. Deviam haver outras alternativas, outras opções. Não devia ser tão rígido e burocrático.

        Ou acham que para contratar um estagiário para uma empresa é sempre preciso lançar um concurso público? Mais uma vez, não estou a dizer que está correcto, só acho que devia haver alternativas para quem quer contratar um estagiário e para quem quer apoio do IEFP. Sendo rígidos e burocráticos obriga às empresas a terem de dar a volta ao sistema, desperdiçando tempo e recursos do IEFP e das empresas desnecessáriamente…

        1. Mas Filipe a funcao do IEFP nao e subsidiar empresas que querem estagiarios comparticipados. Ou nao devia ser. Quer para estagiarios ou outros empregos, se vao atraves do IEFP sao concursos publicos. Remover essa “burocracia” é simples, basta uma empresa pagar o salário do estagiário do seu bolso em vez de pedir comparticipacao do estado.

    3. É falso. Criei duas vagas através desse programa de estágios profissionais, já com candidatos indicados. Quem dera ao IEFP que lhe apareçam empresas a propôr isso… sempre são “números” que saem das listas de desempregados (nem que seja temporariamente) e sem que eles (IEFP) tenham trabalho algum.
      Só que a enorme ignorância da maior parte dos “empresários portugueses” faz com que deconheçam este programa.

  6. Estas práticas de trafico de influências e corrupção são á anos mt vulgares.
    Não é por acaso q no centro de emprego via-se pessoas com ramos de flores e outras ofertas por baixo da messa.são práticas comuns no IEFP e nas empresas de trabalho temporário e outsoursing.
    O IEFP n tem razão de existir para efectuar estas práticas.
    até já fazem ás claras.

    1. Só não é normal o nome do candidato estar online. As empresas podem contratar, ao abrigo dos programas de apoio indicando qual o candidato que pretendem. é perfeitamente legal.

  7. O problema é que tu, eu povo português somos acomodados! somos um povo fraco, burro estúpido e marreco! Calamos e eles são a nossa imagem! Relvas continua lá….VERGONHA NACIONAL

  8. As empresas fazem isto muitas vezes. Escolhem a pessoa para o cargo e depois para beneficiar do apoio do IEFP são obrigados a colocar a oferta. Provavelmente essa «Vera Pereira» já está em funções. É estúpido mas verdade.

  9. Obrigada pela vossa denúncia. Gostaria de vos pedir autorização para enviar isto para a Procuradoria Geral da República, como denúncia de corrupção. Posso?
    Aguardo ansiosamente resposta.
    Cumprimentos.

  10. É normal! Não vês que a “Vera Pereira”, já respondeu ao anúncio! É lógico que ela já tinha lugar marcado, somente simular ter respondido teoricamente normal! xDDD

  11. Independentemente de ser um “tacho” ou uma pessoa pro-activa, se bem que todos vivemos em Portugal e sabemos que a probabilidade “tacho” é bem superior a 95%, será que o Filipe Leandro (não posso dizer e outros porque é o único que alinha por essa teoria) não acha que é brincar com as pessoas divulgar um anúncio numa entidade pública com o “vencedor” escolhido? Na minha opinião, ter o anúncio lá sem o Vera Pereira depois de já ter tido o Vera Pereira e se saber que o emprego é para Vera Pereira é gozar com a cara de quem anda à procura de emprego, mas isso digo eu, um maniento das conspirações.

  12. Não sei se são parentes, mas no executivo da dita freguesia já estão 3 apelidos “Pereira”…se calhar é um requisito!…

  13. Todos os que andam para aí a dizer que há muito quem queira é mamar subsídios, falam de barriga cheia, o que é muito fácil. Não nego que haja quem só queira um subsídiozinho, mas generalizar dessa forma, é de quem não está a par da realidade.

    Em relação ao tacho, infelizmente é uma facilidade que a quem se vê posteriormente nessa situação, não vacila em aceitar, mesmo quem anteriormente é contra…

    Em nenhum dos casos há uma consciência social.

  14. Olá

    Eu sou a Vera Pereira e acho uma injustiça o que me fizeram.
    Tínhamos tudo combinado, o tacho estava no papo, era mais uma protegida, assalariada, mimada, e agora, vou ter de ir procurar um trabalho a sério.

  15. A questão aqui é que se trata de emprego subsidiado pelo estado e tal como os estágios profissionais, estas ofertas são na maioria das situações para IPSS e o responsavel da instituição beneficiária deste apoio, deve ter amigos no Centro de Emprego…

  16. Qual o espanto!? trabalhei 6 meses no centro de emprego em setúbal e garanto que alguns dos empregos nunca chegavam a ser afixados porque eram “oferecidos” a familiares de alguns dos funcionários do próprio centro de emprego!!!

    1. E fez alguma coisa par o evitar?? De qualquer forma o objectivo é mesmo empregar pessoas. sejam amigos ou desconhecidos

      1. Ahhh… Portanto, segundo o que diz, é legítimo é empregar pessoas não pelas suas competências mas pelos seus graus de parentesco e intimidade com os empregadores… Muito bem!… O Raúl deve ser óptimo a fazer entrevistas e a escolher funcionários… Enquanto quem pensar assim não tiver vergonha na cara e não vos caírem em cima, este país não avança.

  17. Caro Sr.(a) funcionário(a) do IEFP,

    Não é suposto copiar para o site tudo o que o(a) Sr.(a) Dr.(a) deixa escrito nos “Post-It” antes de ir de férias….

  18. Ao Jose que trabalhou num centro de emprego:
    Caro José, lamentavel ter assistido a uma situação como a que relata e nao ter feito nada…. Presumo que nada fez, uma vez que isso seria sem duvida um assunto amplamente coberto pelos media portugueses… É tao facil falar ou escrever, mas agir, que é o que realmente este pais precisa, parece tao dificil. Se realmente, o que duvido, assistiu a isso, numa proxima oportunidade nao deixe de AGIR!
    Melhores Cumprimentos
    Francisco

  19. Quem tem screenshots disso ou imprimiu isso deveria publicar junto. Assim poderíamos denunciar esta vergonha junto das entidades competentes, europeias e não só.

  20. A parte do sector de actividade não se enquadrar com a oferta é compreensível. O sector de actividade é definido pelo CAE principal da empresa. Por exemplo, a Santa Casa da Misericordia do lugar onde moro tem exactamente a mesma actividade do que no anúncio, mas também tem creche, e por tanto, educadoras de infância.

  21. Não sei onde esta a surpresa, trabalhei no ministério da defesa e vi varios casos de irem mais de 10 pessoas especializadas a entrevistas, algumas de centenas de quilometros de distância e eu ter visto já o papel carimbado e assinado com o nome do “aprovado”… E com isto tinham 3 “altos funcionários” que ganham 2500/3000 euros a perder tempo e o nosso dinheiro a fazer entrevistas.. Alem dos desgraçados que vinham para Lisboa de proposito, gastando dinheiro em comida, transportes e por vezes dormida na esperança de arranjar um emprego..
    Surpresa já não é mas uma vergonha será sempre este tipo de funcionamento do nosso setor público..

  22. para quem vem criticar este caso, deveria informar-se para não andar para ai a dizer parvoices.

    este caso, da vera pereira e outros acantecem porque as pessoas vão á procura de emprego. acertam contracto com a empresa e para a empresa ter acesso ao apoio financiado pelo governo, tem que formalizar a candidatura no site do IEFP.

    como é obvio, a empresa vai submeter uma candidatura para a pessoa que negociou contrato e não para os milhares de portugueses que estão desempregados.

Leave a Comment

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Ver
Esconder