Crime horroroso aconteceu nos estados Unidos. A pessoa foi apanhada e presa porque se foi gabar para o Facebook de ter queimado o cão que veio a morrer.

“I’m on a killa mode #killdog.com today.” postou Adrianne Martin, 35 anos, no Facebook. Vinte e quadro horas mais tarde, o cão foi queimado a sangue frio, atado e deixado à porta de uma residência.
O crime ocorreu em St. Louis, Missouri, USA, onde existe uma equipa especializada criada para detectar e punir maus tratos e abusos animais.

 

Pegou fogo ao cão e foi gabar-se para o Facebook

 

Foram colocados flyers nas tuas na altura em que o cão, apelidado de Brownie, foi encontrado com uma recompensa de $5.000 por qualquer informação que levasse a quem tinha feito tal crime. Durante duas semanas nada deu resultado até que encontraram o Facebook de Martin, onde se fazia querer que tinha feito mal ao animal. Não foi preciso recompensa, pois ela tornou-se um alvo por si só.

 

Antes de ter pegado fogo ao cão:

1

2

 

Depois de ter pegado fogo ao cão:

3

 

Conforme se pode ver nas imagens, os posts estão públicos e qualquer pessoa os pode ler ou comentar.

Inicialmente a mulher de 35 anos negou os crimes à polícia mas acabou por confessar.
Embora o Brownie chegasse com vida ao centro veterinário, os cuidados que teve não foram suficientes, acabando o mesmo por falecer.

 

 

Animal Cruelty Task Force

Criada em Outubro de 2012, a St. Louis Animal Cruelty Task Force é uma equipa que vigia a crueldade animal na cidade. Muito do crédito para a apreensão desta cidadão que cometeu o crime horrento é dado a esta equipa que distribuiu flyers e permite aos animais terem um maior sossego nos seus lares ou serem ajudados em caso de maus tratos.

Ver
Esconder