São mais de 10 os sites já fechados pelas ameaças da ACAPOR. Ameaças e pesquisas no Facebook por parte da ACAPOR são por eles consideradas ilegais.

O que pensarias se alguém pudesse saber informação privada que expões no Facebook? Poderá ser uma falha, ou poderá ser algo mais. Ainda assim, usar essa informação para chantagear e ameaçar, constitui crime. Segundo uma entrevista a um dos administradores do Portugal Series, foi isso que aconteceu e esse o motivo para o site fechar. O facto é que o Ox7 já se tinha queixado do mesmo

Portugal Séries: site encerrado acusa ACAPOR de ameaças e métodos ilegais

 

 

Como é que o antigo colaborador foi identificado?

Até agora ainda não sabemos como esse ex-membro da administração foi identificado. Mas suspeitamos que poderá ter sido por métodos ilegais. O que ficou claro é que utilizaram dados do Facebook como forma de intimidação. Pois nos seus emails, enviaram uma fotografia onde estava a esposa desse antigo colaborador e noutro existiam passagens do tipo: Espero que o cão do seu sobrinho já tenha aparecido…
Estes dados estavam no facebook pessoal do mesmo, mas como é que eles lá chegaram é para nós um mistério. Mas nem toda a gente tem a perícia de um “hacker” para guardar a sua informação pessoal de forma segura, por isso é possível que eles tenham apenas explorado essa “incompetência” que existe em 99% da população portuguesa. É de ficar a pensar se nos dias de hoje todos nós não deveríamos ter tirado antes um curso de administração de clubes de vídeos para superar essa falha…

 

Consideram que o que vocês estão a fazer é ilegal?

NÃO. Suspeito é que o que a ACAPOR está a fazer seja ilegal! Pois estes emails parecem ser pura chantagem apoiada no que parecem ser falhas no sistema.
Existe uma área cinzenta na interpretação da lei que faz com que ninguém saiba ao certo o que é legal e o que é ilegal neste tipo de sites. Daí provavelmente eles optarem por não utilizar a via jurídica (onde aparentemente já foram travados várias vezes) e optarem por esta eficaz via que passa por emails algo intimidatórios aos membros dos sites. Foram consultados advogados e o que dizem é basicamente o mesmo: “O site não parece ser ilegal mas se eles fizerem uma queixa, o ministério público é obrigado a investigar com todos os recursos que eles dispõem. Valerá a pena correr o risco?” CLARO QUE NÃO!
Quem é que quer ver a sua vida privada vasculhada pelo ministério público?!! Quem é que não fica logo a pensar: E se eles fazem uma busca lá casa e partem tudo, confiscam o computador, ou encontram aquele CD que um amigo gravou com música boa, ou ouvem conversas telefónicas pessoais e se a interpretação daquele juiz em particular for inédita e eu for preso e tiver que pagar milhares?
No nosso caso, nem o ex-membro em questão, nem a actual equipa vive em Portugal e o site também não está em Portugal, ou seja, seria fácil decidir que a ACAPOR não tem qualquer legitimidade sobre eventuais ilegalidades que possam ter ocorrido no estrangeiro, especialmente quando esse país não tem qualquer legislação sobre o assunto, certo? ERRADO, porque todos nós temos família e bens em Portugal e ninguém quer correr o risco de um dia ir a Portugal de férias e ser preso ou ver as nossas poupanças (conseguidas a muito custo) congeladas até que um eventual processo chegue ao fim, correndo o risco de entrar num pesadelo jurídico de 10 anos…

 

O tal colaborador visado foi ameaçado pela ACAPOR além do processo (coação, etc.) em alguma forma contrária à lei?

O advogado consultado acha que sim e perguntou-lhe inclusive se ele queria avançar com uma queixa contra a pessoa que escreveu os emails (cujo nome optamos por não mencionar por acreditarmos realmente no direito à privacidade). Mas ele pensou que se o fizesse, que eles iriam avançar com a queixa no Ministério Público, mesmo após termos cumprido com o encerramento do site no prazo imposto. Daí que mais uma vez preferiu não correr riscos, ainda para mais quando está à espera do primeiro filho e toda essa situação seria sem dúvida um foco de tensão num período que legitimamente pretende que seja calmo. Também é da opinião que esta entrevista pode ter esse mesmo efeito…
Mas na nossa opinião eles não iriam fazer isso, porque se o fizessem perderiam toda a credibilidade e mais ninguém efectuaria acordos com eles para encerrar sites. O que iria trazer-lhes muito trabalho e custos desnecessários. Para além de que ficariam manchados publicamente como sendo vingativos, opressores e por faltarem à palavra.
Pdem-nos indicar algumas estatísticas do site, em termos de users, visitas e ficheiros?
Para grande surpresa de muitos e comparativamente aos gigantes que se falam na net, o site até nem era muito conhecido. Tivemos ao longo de 7 anos cerca de 20 mil users registados mas temos a certeza que metade deles, após o registo inicial, nunca mais efectuou login. Em visitas tínhamos actualmente cerca de 4 mil por dia (uma boa parte destes ficava cerca de 10 segundos no site dando a ideia de que iriam lá parar por engano). E tínhamos ZERO ficheiros de vídeo. Só tínhamos links pesquisados no google ou enviados por fãs da série x ou y. Éramos uma espécie de “páginas amarelas” de séries. Pelo que não fazemos a mais pálida ideia do número de downloads efectuados em servidores por todo o mundo. Mas isto parece demonstrar que ninguém está fora dos radares da ACAPOR e que o intuito final parece ser mesmo o da projecção pública que o encerramento de mais um site (pequeno ou grande) traz.

 

Portugal Séries: site encerrado acusa ACAPOR de ameaças e métodos ilegaisImagem: Tugatech

 

Consideram que isto é uma “evolução” em relação ao passado?

O que sei é que se estivéssemos na década de 80 e todos os visitantes do site vivessem num mesmo bairro, não haveria qualquer problema na troca entre vizinhos de cassetes VHS gravadas com as séries televisivas que cada um seguia. Infelizmente os VCR acabaram, os malditos PCs apareceram e devido à internet, o bairro é agora um pouco maior. Mas tirando algum avanço tecnológico, o que é que mudou? NADA!! Com excepção da existência da ACAPOR e a recusa dos donos de clubes de vídeo em perceber que eles estão na mesma recta final que a indústria das máquinas de escrever passou no fim da década de 80.

Qual é o melhor momento que recordam do tempo de vida do vosso site?
Foi quando recebemos o primeiro email de uma empresa responsável pela promoção de séries de um conhecido canal de TV, a pedir-nos para ajudar a promover os primeiros episódios de uma série que se estava a estrear em Portugal. Esse primeiro email confirmou aquilo que já sabemos que um dia irá acontecer: que vão ser as empresas cinematográficas a implorar para que uma série seja promovida num qualquer conhecido Site X. A quantidade de séries a estrear e a concorrência entre empresas cinematográficas é tal, que mais cedo ou mais tarde elas vão ter que recorrer a estes eficientes meios de promoção. E não perderão dinheiro porque o bom nas séries que se seguem na internet, é que quando as vemos na TV, ficamos presos ao episódio independentemente se o mesmo já foi visto ou não, ao contrário de quando se vê um episódio de uma qualquer série em que apenas se viu episódios salteados e não se conhece a história geral.
Também foi-nos pedido para colaborar na elaboração do portal de uma das maiores multinacionais de séries, o que também mostrou de certa forma o reconhecimento do nosso valor.

 

O que pensas dos clubes de vídeo?

VOCÊS JÁ ERAM. Esse negócio já explorou quem tinha que explorar e está na altura de encerrar para não falir. Insistir em travar o inevitável está a fechar-vos os olhos para novas oportunidades.
Abram antes uma loja de venda de filmes e séries a bom preço. Mas antes montem um site como o nosso para as pessoas as poderem testar e vocês sentirem o pulso ao que é bom e tem saída, pois a porcaria nunca ninguém vai conscientemente comprar e vai trazer-vos prejuízo.
Peço ainda desculpa a todos pela linguagem HIPER cuidada e até cansativa que tive de utilizar para tentar dar às frases uma única interpretação a fim de evitar também eu uma eventual queixa. Espero que tenha conseguido…

 

 

Ver
Esconder